RSS

Abandonando o Trabalho que eu Odiava

Tradução de Abandoning the Work I Hated, de Robert Markowitz, publicado em 20 de agosto de 2015.

Eu era a inveja de meus amigos de 30 e poucos anos em Palo Alto, Califórnia. Tinha meu próprio escritório de advocacia bem na Avenida Califórnia. Pessoas acusadas de crimes me entregavam dinheiro, antecipadamente, por sobre uma grande mesa de carvalho. Vez ou outra, eu fazia uns dois mil dólares numa tarde.

Read the rest of this entry »

 
Leave a comment

Posted by on September 29, 2015 in En-Pt

 

Tags: , , ,

For when I’m gone – Para quando eu me for

Original text in Portuguese, by Rafael Zoehler: Para quando eu me for, published in July, 9.

To die is always a surprise. Always. One never expects it. Not even the terminal patient thinks they’re gonna die today or tomorrow. Next week maybe, but only if next week keeps being next week for ever.

One is never ready. It’s never the time. We’ll never have done everything we wanted to do. The end of life always comes suddenly, making widows weep and boring children who still don’t understand what a funeral is (Thank God).

Read the rest of this entry »

 
Leave a comment

Posted by on July 28, 2015 in Pt-En

 

Tags: , , ,

Não Existem Pulos Fáceis

Tradução de No Easy Jumps, de Dan Edwardes, publicado em 29 de junho de 2015.

556140_554302597928323_115923527_n

É muito comum para nós, praticantes de parkour, penso, tendo finalmente conseguido realizar um novo salto ou masterizado um novo movimento ou superado um novo desafio no treino, olhar então para trás e comentar: bem, esse foi fácil. E é bom, em certo sentido, ser encorajado por tais realizações e sucessos em nosso treino.

Entretanto, existe um você antes do salto e existe um você depois do salto. E ambos são muito diferentes, embora o salto em si mantenha-se inalterado.

Read the rest of this entry »

 
1 Comment

Posted by on July 14, 2015 in En-Pt, Parkour

 

Tags: , ,

Jactância de Quietude – Jorge Luis Borges

Escritas de luz atacam a sombra, mais prodigiosas que meteoros.
A alta cidade irreconhecível se intensifica sobre o campo.
Seguro de minha vida e de minha morte, olho os ambiciosos e quisera
entendê-los.
Seu dia é ávido como o laço no ar.
Sua noite é trégua da ira no ferro, pronto para o ataque.
Falam de humanidade.
Minha humanidade está em sentir que somos vozes de uma mesma
penúria.
Falam de pátria.
Minha pátria é um ganido de violão, uns retratos  e uma velha espada,
a oração clara do salgueiral nos entardereceres.
O tempo está a viver-me.
Mais silencioso que minha sombra, sigo o tropel de sua gula
elevada.
Eles são imprescindíveis, únicos, merecedores do amanhã.
Meu nome é alguém e qualquer um.
Passo com lentidão, como quem vem de tão longe que não espera
chegar.

— Jorge Luis Borges

Não costumo traduzir textos do espanhol, pois não tenho muita experiência com a língua, mas me aventurei com este poema para compartilhar com um amigo. Versão em espanhol (não consigo encontrar com certeza a organização de versos e estrofes, se estiver errada, não foi descuido):

Read the rest of this entry »

 
Leave a comment

Posted by on June 25, 2015 in Uncategorized

 

Tags: ,

Como Levantar Grana para a sua Startup

Tradução do infográfico original em inglês How to Raise Money For Your Startup. Originalmente publicado no Startupolitanos – Como levantar grana para a sua startup, em 2012.

Como levantar grana para sua startup

 
Leave a comment

Posted by on June 13, 2015 in Empreendedorismo, En-Pt

 

Tags: , , ,

Movendo-se Através do Medo (Moving Through Fear)

Tradução de Moving Through Fear, de Dan Edwardes, originalmente publicado em 18 de junho de 2013

dan_batman-jumpSão os pequenos medos que silenciosamente roubam nossas vidas. As grandes preocupações – morte, perda, o significado da existência… essas coisas, no geral, nós podemos ignorar, e de fato ignoramos, na maior parte de nossos dias. Filósofos e teólogos podem especular e preocupar-se com os detalhes de tais imponderáveis, mas a maioria de nós não tem o tempo, ou a inclinação, ou talvez tenha simplesmente sorte de não sofrer com o fardo do excesso de curiosidade. E alguns medos são racionais, é claro, e podem ser aliados de nossas vidas; o medo que aguça nossa percepção em uma parte escura da cidade, por exemplo, ou o medo de cair que sentimos de repente quando paramos muito próximos à borda de um precipício em um dia com muito vento. Read the rest of this entry »

 
1 Comment

Posted by on June 11, 2015 in En-Pt, Parkour

 

Tags: , ,

O Alvorecer da Tempestade

Tradução de um conto ambientado em Rokugan, o mundo do Rpg e card game Legend of the Five Rings. Aqui pode ser encontrado o site oficial da empresa criadora, a AEG, neste link está o conto original e neste aqui tem o endereço da editora New Order, que está trazendo os livros do RPG para português.

Yoritomo, primeiro campeão do Grande Clã do Louva-a-Deus

Yoritomo, primeiro campeão do Grande Clã do Louva-a-Deus

O Alvorecer da Tempestade

A terra agitava-se a cada onda de tremores e as altas torres do Kyuden(1) Louva-a-Deus erguiam-se como carvalhos em uma tempestade. Abaixo delas, camponeses apressados lutavam para proteger da fome da terra tesouros incalculáveis, seus gritos e orações para as Sete Fortunas alçando-se em direção ao sol. Então, com um estalido aterrorizante, um dos pilares do portão do castelo se soltou, sendo lançado violentamente em direção ao chão e partindo-se em um milhar de pedras contra a fúria do terremoto.

Tão rápido quanto começara, acabou. O firmamento inquieto estremeceu mais uma vez e um rangido surgiu das fendas recém abertas, deixando escapar gases fétidos e uma fumaça acre. O clã do Louva-a-Deus se levantou, contou os seus mortos e então começou o árduo processo de reconstruir o que havia sido perdido. Focos de incêndio queimavam livremente nas vilas litorâneas e barcos de pescadores balançavam no oceano turbulento, desesperados para alcançar suas casas. Nos campos próximos ao grande palácio, havia um garoto embaixo de uma árvore oscilante, assistindo os últimos arquejos de raiva que se convulsionavam ao longo dos arrozais de seu pai. Ele tinha dez anos de idade, era tão magro e alto quanto um adolescente, e a amargura já havia se entranhado em suas feições infantis. Com uma mão desleixada, ele afastou uma mecha de cabelo que havia caído sobre seus olhos, prometendo mais uma vez amarrar o cabelo para trás como o seu pai fazia –não importando o que o shugenja(2) havia dito sobre isso. Ele olhou com raiva para a árvore que ainda balançava e se virou para continuar seu caminho em direção ao dojo do Louva-a-Deus. Dez anos e repleto de raiva.

Cada golpe da boken(3) do sensei(4) contra a sua própria espada de bambu era uma ofensa. Cada movimento que o outro fazia, cada piscar de olhos enfurecia o jovem, fazendo com que se empenhasse ainda mais. Finalmente, com esforço, sua espada de madeira ressoou além da guarda do instrutor, quebrando-se contra o corpo do sensei. O homem caiu com um grito de dor e o filho do daimyo(5) do Louva-a-Deus se ergueu sobre ele, a espada quebrada apontava para a garganta de seu sensei.

– Yoritomo.

Era a voz de seu pai, atrás dele, mas o garoto não se mexeu. Ferozes e perigosos, seus olhos se enterravam na alma fraca do sensei. Read the rest of this entry »

 
Leave a comment

Posted by on May 13, 2015 in En-Pt

 

Tags: , ,